Pular para o conteúdo principal


O PAPEL DO PSICOPEDAGOGO NO TRATAMENTO  DE AUTISTAS






Dentre as diversas formas terapêuticas as quais uma criança autista necessita, a intervenção psicopedagógica é extremamente importante para o desenvolvimento intelectual dos “anjos azuis”.
O desconhecimento acerca da atuação do Psicopedagogo por parte dos pais e professores, impede a oportunidade de otimizar a aprendizagem, através do estímulo, descoberta de potencialidades, reabilitação cognitiva, socialização, treino comportamental através do lúdico, o que garante um avanço extraordinário no desenvolvimento do aprendizado e, consequentemente, no rendimento escolar.
O Psicopedagogo, além de investigar, detectar e intervir nas causas que estão levando ao fracasso escolar e os fatores que limitam o aprendizado, atua na orientação dos familiares quanto as suas posturas e também os profissionais envolvidos diretamente com esse aluno autista.
O Psicopedagogo precisa, além do seu conhecimento teórico- prático, ter a sensibilidade em compreender que uma criança autista aprende, mas também ensina, pois toda a bagagem que ele carrega consigo deve ser considerada. Através desse conhecimento, respeitando suas limitações, é possível aprender e ensinar. Cabe ao Psicopedagogo intermediar o relacionamento entre ensinante e aprendente na construção de um vínculo prazeroso e saudável.
A criança autista tem aversão a ambientes agitados e desorganizados, então, é importante trabalhar o tom de voz. A fala deve ser serena, explícita e pausada. Seus interesses restritos são ferramentas preciosas para o psicopedagogo trazer à sessão a atenção da criança e possibilitar a socialização e o aprendizado.
É de vital importância tratá-lo pelo nome e comunicar de forma simples a atividade proposta e antes de propor, o psicopedagogo deve executá-la.
O jogo é o melhor e mais completo instrumento a ser utilizado, resgatando e preparando para aprendizagem, visto que ele abrange os três estilos de aprendizagem; visual, auditivo e sinestésico, desenvolvendo, assim, a cognição, competências fundamentais para o futuro.

Dessa forma, contribuirão para melhor desempenho do autista e para integração das várias dimensões do seu conhecimento afetivo, motor, cognitivo e social.









Fonte: http://www.paisfilhoseescola.com.br/o-papel-psicopedagogo-tratamento-de-autistas/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Atividades para Coordenação Motora Fina

Rastreamento é uma técnica simples para ajudar as crianças na coordenação motora fina. A técnica trabalha as habilidades motoras finas como a coordenação olho-mão e o início escrita.

A técnica é bastante simples. Você deve dar a cada criança pelo menos três cores diferentes de lápis de cor para formas, números e letras de forma para realização da técnica de rastreamento.


Técnica rastreamento da primeira letra do nome do aluno com ajuda do pontilhado.
As crianças começam por traçar com o dedo
Em seguida, as crianças usam uma cor de lápis e traçar os contornos. Em seguida, as crianças usam a segunda cor para rastreá-lo novamente. Em seguida, eles usam a cor de terceiros para traçar os contornos mais uma vez. -Separar objetos pequenos por cores.trabalhar o movimento pinça fina com o dedo indicador e polegar
- objetos pequenos para trabalhar movimentos finos.Treinar os números e associar a quantidade.

- Trabalhar os movimentos finos como alinhavo,tecelagem (com a tela talagarça) ou uma cesta co…
Encaixe dos palitos de Picolé no pote com um furo




Alinhavo de canudinhos, miçangas ou macarrão




Jogo de Mosaico -peças pequenas de legos











Ferramentas para pintura - esponjas de formas diferentes e pincéis.
O ATO DE ESCREVER A MÃO É UM EXERCÍCIO PARA O CÉREBRO
A tecnologia está cada vez mais presente em nosso cotidiano. A maioria de nossos textos são produzidos via teclado, isso é bom ou é ruim? No Brasil já existem escolas que disponibilizam laptops aos alunos; mas, de acordo com a neurocientista Karin Harman...
Na metade do ano de 2011 alguns jornais anunciavam o fim da escrita cursiva na maioria das escolas dos EUA. Entretanto no início do ano (2012) a neurocientista Karin James Harman apresentou um projeto no sentido de conscientização de qual o papel da escrita no processo de aprendizagem.
Apesar de grande debate, Harman testemunhou a favor da inclusão da escrita cursiva nos currículos de todas as escolas públicas. Para a realização da pesquisa, as crianças escreviam cartas à mão e depois submetiam-se a uma ressonância magnética. Nestas, a atividade neural no cérebro mostrava-se mais avançada do que aquelas que digitavam no teclado. “A caligrafia envolve circuitos cerebrais diferentes …