sábado, 8 de dezembro de 2012

CULTURA DOS SURDOS

Cultura dos Surdos - Deficiência auditiva

O artigo a seguir é uma tradução do idioma Inglês: WebAIM - Auditory Disabilities - Deaf Culture.

A Surdez como uma Cultura


Surdez é mais do que uma condição médica. Para os indivíduos que são surdos, a surdes não é apenas ter "ouvidos doentes". Eles pertencem a uma comunidade, uma cultura. Neste sentido, a surdez é única entre os tipos de deficiência. O sentido da cultura é mais forte entre aqueles que a linguagem gestual é o seu idioma principal. É este vínculo linguístico, talvez mais do que outros fatores, que liga os membros desta comunidade. Em muitos aspectos, o caráter social da cultura surda pode ser comparado à da cultura Afro-americana. Da mesma forma que existe um forte sentimento de orgulho entre os Afro-americanos em respeito ao seu patrimônio cultural e da sociedade, existe um sentimento de orgulho entre os surdos, e eles gozam do estatuto de minoria cultural e linguística. Surdez é muito mais do que um fenômeno fisiológico. É um modo de vida. Nas últimas décadas, a linguagem tem desempenhado um papel cada vez mais centralizador na unificação cultural da comunidade surda.

Linguagem dos Sinais e "Leitura Labial"


No entanto, existem pessoas surdas que não utilizam a linguagem dos sinais. Essas pessoas geralmente têm sido levantadas a seguirem a tradição oral, o que significa que eles foram educados e ensinados a se expressar vocalicamente, e também para "ler os lábios" dos outros. Esta tradição era mais comum durante a maior parte do século 20. Foi então na década de 1970 que os educadores começaram a abordagem desta questão mais a sério, e para incentivar o uso da linguagem gestual como principal meio de comunicação. O caso de se considerar a linguagem gestual como uma língua própria nem sequer foi reconhecida para a maior parte das pessoas, incluindo muitos dos surdos que se utilizam dela. A Linguagem gestual foi durante muito tempo considerado como um sistema de gestos que não cumpriam a completa funcionalidade de uma verdadeira Língua. Estudos mais recentes, porém, têm confirmado que a linguagem gestual tem uma complexa estrutura de sintaxe e gramática como no caso das verdadeiras linguagens, e também ativa os mesmos neurônios da região do tecido cerebral responsável pelas atividades que fazem parte das atividades com outros idiomas.

Os resultados destas constatações deram origem a uma aquecida controvérsia entre os defensores da tradição oral e os defensores da linguagem gestual. Os que estão a favor da tradição oral dizem visar e encorajar as pessoas surdas a serem parte do conjunto da sociedade. O pressuposto é que a pessoas surda será mais aceitável e acessível às pessoas que não são surdas se o surdo pode proceder "normalmente" em uma conversa. Até certo ponto é verdade, mas a maior desvantagem desta abordagem é que a leitura labial é uma arte inexata, que incluem intuição e adivinhação. Leitores de Lábios são capazes de compreender cerca de 40 a 60% do que os outros dizem, e devem preencher os espaços "em branco" do resto da conversa, isto até mesmo depois de muitos anos de formação e prática.

Como os primeiros métodos sugeridos para fazer conteúdo de áudio da web acessível aos surdos, alguns desenvolvedores pensaram que o melhor meio seria fazer uma versão da linguagem gestual para o conteúdo de áudio. Mas existem alguns problemas com esta opção:

Importante

  • Nem todas as pessoas surdas falam a linguagem de sinais.
  • A imagem do Vídeo na Web muitas vezes não é suficientemente grande ou com imagens claras para tornar a linguagem escrita compreensível.
  • Nem todo mundo fala a mesma linguagem gestual.

O último ponto a ser considerado, é que existem tantas linguagens gestuais como existem línguas faladas. Nos Estados Unidos, por exemplo, o mais comum é a linguagem gestual American Sign Language, ou ASL. Na Grã-Bretanha, a British Sign Language, ou BSL, que é a mais comum. Na Austrália, Australian Sign Language, ou Auslan, é a mais comum. Inglês Sinalizado é uma outra variação, embora seja menos de um full-featured da língua e tradução de uma das mais faladas no Inglês em um sistema de sinais.

Quando olhamos para outras regiões fora da França, como a Suécia, América do Sul, e na Ásia, as diferenças são ainda mais acentuadas. As linguagens de sinais asiáticas não possuem quase nada em comum com a linguagem de sinais dos americanos ou europeus, e não possuem uma raiz linguística comum. Tem havido algumas tentativas de fazer uma versão internacional da linguagem gestual, conhecido como Gestuno, mas a comissão de desenvolvido deste sistema de linguagem de sinais são inferiores às dos países mais ricos do mundo e tem sido vista apenas com uso limitado.

Agora, o fato de que existem muitas diferentes linguagens gestuais em todo o mundo não é realmente uma questão de deficiência ao acesso tanto quanto se trata de uma questão de internacionalização, mas o fato de que existem grandes diferenças entre as linguagens gestuais das pessoas que podem ler o mesma linguagem falada (por exemplo Inglês) é muito mais uma questão de deficiência ao acesso. A característica comum entre aqueles que falam ASL, BSL, e Auslan não é a linguagem gestual, que é o Inglês mesmo quando você toma em consideração as diferenças regionais de ortografia e algumas palavras vocabulário.

A forma de tornar acessível os conteúdos de áudio para os que são surdos é fornecer legendas ou transcrições.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário